Cine-clube arouquense patrocinou exposição em que figuras da terra deram a imagem para a criação de uma homenagem a grandes clássicos da história da Sétima Arte Cine-clube arouquense patrocinou exposição em que figuras da terra deram a imagem para a criação de uma homenagem a grandes clássicos da história da Sétima Arte D. R.

Arouca, 13 de Outubro de 2015 

Por Redacção

Cartazes do “Arouca Film Festival” em mostra pelo País

A exposição “Arouca em Cartaz”, que foi um dos destaques da última edição do “Arouca Film Festival”, o certame internacional de curtas-metragens, vai ser mostrada pelo País.

Durante cerca de seis meses, a mostra de cartazes de cinema, que emulam os cartazes de grandes clássicos, mas com figuras arouquenses, nomeadamente com o presidente da câmara, o graduado da GNR, o homem da rádio e o presidente do clube de futebol, vai percorrer 11 distritos.

O arranque será em Vila Real, já no dia 12, seguindo-se a Loja de Turismo do Porto e Norte, no aeroporto Francisco Sá Carneiro, de 02 a 08 de Novembro.

A mostra inclui 13 cartazes de cinema, obras originais que se inspiraram em filmes clássicos. Todos eles foram integralmente feitos em Arouca, sendo fruto da visão do artista Paulo Montalvão Schmidt.

Em cada cartaz, há uma relação entre a história, os personagens do filme e os conteúdos da respectiva obra, visando “associar a cultura cinéfila à promoção e valorização do património e do território” concelhio, que é um dos objectivos estratégicos do cine-clube.

A instituição cultural, dirigida por João Rita, tem vindo a alinhavar parcerias com diversas entidades, sendo esta exposição de entrada gratuita uma expressão prática desta política de criação de sinergias em prol da divulgação da cultura arouquense.

O “Arouca Film Festival”, organizado pelo Cine-Clube de Arouca, realizou-se de 11 a 13 de Setembro passado, tendo consagrado o cinema espanhol, com a vitória e consequente “Lousa de Ouro” a ir para o filme ““Los Huesos del Frío”, de Enrique Leal, que conta a história verídica do resgate dos restos mortais de uma vítima da guerra civil de Espanha por parte da sua irmã.

Esta 13ª edição do certame contou com 50 filmes – de 20 países – a concurso. Foi a edição com mais países representados, alguns deles surgiram  pela primeira vez na história do certame, casos de Sérvia, Kosovo, Polónia e Roménia.

Foram recebidas “curtas” de cinco continentes, dos quais 79 por cento são oriundos de países europeus, com liderança de Portugal e da Alemanha. Saliência, ainda, para os 18 por cento vindos dos Estados Unidos da América (EUA).

A “inovação” e a “criatividade” foram eixos orientadores do festival , que também contou com exposições de cinema, workshops, oficinas, conferências e várias actuações e performances de música e dança.