Hermínio Loureiro e António Rodrigues (presidente do Grupo Simoldes), um dos patrocinadores do evento Hermínio Loureiro e António Rodrigues (presidente do Grupo Simoldes), um dos patrocinadores do evento D. R.

Oliveira de Azeméis, 18 de Setembro de 2014 

Por Redacção

“O projecto recomenda-se e está para ficar”

A importância que atribuímos hoje ao debate sobre os territórios de baixa densidade revela que projectos como o Há Festa na Aldeia ajudam a corrigir equilíbrios e desigualdades, defendeu o presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Hermínio Loureiro.

Estes eventos promovem o território, mobilizam as pessoas, demonstram o papel relevante do movimento associativo nestes meios e dinamizam, consequentemente, a economia local”, afirmou.

O autarca recebeu pelo segundo ano consecutivo o festival de encerramento do Há Festa na Aldeia, dinamizado pela Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM), que decorreu no passado fim-de-semana na aldeia de Ul.

A aldeia de Ul está hoje diferente para melhor, a sociedade civil envolve-se de alma e coração neste projecto e até algumas empresas já perceberam a sua dimensão, patrocinando as actividades”, disse.

Hermínio Loureiro destacou a qualidade do principal palco do festival – o Parque Temático Molinológico de Ul, um autêntico “museu vivo” das estruturas da confecção do pão e de moagem de cereais com mais de 200 anos de existência, dando nota de que “ano após ano tem novos atractivos”.

O presidente do município aludiu ainda ao facto de Valentim Ferreira Pinto, proprietário de um terreno e de um antigo moinho ter cedido estes imóveis à União de Freguesias de Oliveira de Azeméis, Santiago de Riba Ul, Ul, Macinhata da Seixa e Madaíl, tendo em vista a sua futura recuperação. “Um acto anunciado durante o certame que não podemos deixar de realçar e de agradecer”, fez notar.

Este projecto tem vindo a crescer meticulosamente, recomenda-se e está para ficar”, sublinhou.