Capitais dos moldes assumem cooperação que visa puxar pelas respectivas economias. Com olhos nos mercados externos Capitais dos moldes assumem cooperação que visa puxar pelas respectivas economias. Com olhos nos mercados externos D. R.

Oliveira de Azeméis, 17 de Julho de 2014 

Por Alberto Oliveira e Silva

Oliveira de Azeméis reforça parceria com a Marinha Grande

Os municípios de Oliveira de Azeméis e da Marinha Grande estão num processo de estreitamento de laços, visando “potenciar as suas indústrias e as suas capacidades exportadoras, através do intercâmbio e do envolvimento de associações industriais e de centros tecnológicos e científicos das duas regiões”.

Recorde-se que os dois concelhos estão geminados desde 2002 e possuem uma trajectória comum ligada ao desenvolvimento das indústrias do vidro, moldes e plásticos.

Uma delegação composta por autarcas, empresários oliveirenses e dirigentes da Associação Empresarial e Comercial de Oliveira de Azeméis – que foram acompanhados por responsáveis da Universidade de Aveiro – visitou recentemente a Marinha Grande, no âmbito do projecto local “Dá-te a conhecer”.

A iniciativa incluiu contactos com a incubadora de empresas OPEN – Oportunidades Específicas de Negócio, com o Centro de Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto/IP Leiria, com uma empresa vidreira, com o Museu do Vidro e com o Núcleo de Arte Contemporânea.

Esta aproximação é fundamental na medida em que ambos os municípios têm objectivos comuns, nomeadamente crescer em produtividade, aumentar o volume das exportações, inovar e possuir mão-de-obra especializada”, afirmou Hermínio Loureiro.

O presidente da câmara das Terras de La Salette reafirmou que “os dois municípios estão unidos pelo sector dos moldes”, considerando que, por isso, “a partilha, o contacto e o conhecimento são fundamentais para o crescimento desta importante indústria”.

Lembrou a importância do conceito de “inovação permanente” para o futuro do cluster de moldes do sector automóvel localizado em Oliveira de Azeméis.

Acentuou, ainda, que além dos moldes, a metalomecânica e o calçado fazem do seu concelho “o quinto maior exportador da região norte”.

O edil creditou a pujança industrial do município ao “espírito empreendedor dos empresários oliveirenses”. Mas não deixou de alertar para as dificuldades com muitas empresas se debatem, nomeadamente para “a falta de quadros intermédios”. Defendeu uma maior aproximação entre os “centros do saber” e o mundo empresarial.

Álvaro Pereira, presidente da Câmara da Marinha Grande, sublinhou que o intercâmbio entre os dois municípios fará com que se tornem mais fortes a nível empresarial.

Queremos aprofundar as relações entre as duas autarquias, criando dinâmicas e parcerias que promovam o desenvolvimento das duas regiões e ponham em contacto as populações dos dois municípios”, afirmou.

Enfatizou a importância de envolver na cooperação Oliveira de Azeméis-Marinha Grande não apenas as câmaras municipais, mas também as associações industriais e comerciais.