Alunos do segundo e terceiro ciclos do “Colégio das Terras de Santa Maria” ajudaram a desenvolver cosméticos à base de produtos apícolas Alunos do segundo e terceiro ciclos do “Colégio das Terras de Santa Maria” ajudaram a desenvolver cosméticos à base de produtos apícolas D. R.

Santa Maria da Feira, 24 de Julho de 2014 

Por Alberto Oliveira e Silva

Escola privada feirense vence prémio científico

O projecto “O poder do mel e da própolis”, do Colégio das Terras de Santa Maria, de Santa Maria da Feira, venceu o Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”, na categoria destinada a alunos dos segundo e terceiro ciclos do Ensino Básico, arrecadando 15 mil euros de prémio pecuniário.

Desenvolvido em parceria com a Universidade do Porto (UP), a Quinta Ecológica da Moita e uma empresa que vende produtos relacionados com a actividade apícola, este projecto dos alunos santamarianos levou à produção de um conjunto de cosméticos – hidratante corporal, cera depilatória, batom hidratante, aftershave e creme para pés gretados – baseados no mel, na cera de abelha e na própolis [substância resinosa obtida pelas abelhas].

Os produtos vão ser licenciados junto do “Infarmed” [organismo responsável pela regulação e fiscalização da introdução de medicamentos no mercado], estando previsto que possam vir a ser comercializados pela “TimberBee”, uma empresa de produtos e serviços relacionados com a apicultura.

Esta ligação à Universidade do Porto tem sido fundamental para os nossos alunos do ensino básico e secundário, que, através da implementação de projectos experimentais inovadores, percebem a importância do conhecimento e do método científico nas suas actividades futuras”, salientou Clarisse Pinão, da direcção pedagógica do Colégio da Feira.

Acrescentou que esta parceria enquadra-se nos objectivos da instituição: “colaborar com uma rede alargada de actores na produção e divulgação de conhecimento científico” e “promover um maior diálogo entre a ciência e a sociedade”.

A divulgação desta iniciativa foi feita com a colaboração do “Ciência 2.0”, projecto da UP que ajudou a desenvolver uma aplicação interactiva sobre o mel e a própolis que foi já apresentada numa mostra de aprendizagens organizada pelo colégio no Europarque, em Santa Maria da Feira.

Tratou-se de uma instalação artística multimédia de interface cinético, em que o movimento do participante o leva a optar pelo conteúdo que pretende ver.