Edição 2014 retoma exuberância deste certame de referência cultural Edição 2014 retoma exuberância deste certame de referência cultural D. R.

Cultura, 26 de Maio de 2014 

Por Redacção

Maior festival de artes de rua em Portugal movimentou meio milhar de artista

O maior festival de artes de rua realizado em Portugal, que chegou ao fim este sábado em Santa Maria da Feira, recuperou “a exuberância” deste certame de referência cultural, já na sua 14ª edição.

Passados 14 anos, o capital humano decorrente da vida deste festival é notório na consubstancialização do território como a capital do teatro de rua em Portugal”, disse o vereador da Cultura da Câmara da Feira, Gil Ferreira, para quem o balanço de mais esta edição “é francamente positivo”.

A programação de sexta-feira e sábado, que encheu as principais artérias da cidade, teve dois eixos centrais materializados em diversos espectáculos dos quais se destacaram dois macro espectáculos – uma apresentação de novo circo numa estrutura de bambu de 15 metros de altura e um espectáculo intermédia. 

Entre as novidades do festival – que agora assumiu a denominação MEO Imaginarius -, enfoque para o alargamento do certame ao público infantil, a abertura de uma área alimentar reservada à gastronomia criativa, a bolsa de artistas de rua e o programa imaginar Imaginarius que chama a comunidade a intervir na transfiguração do espaço público.

O festival tem um forte impacto nos ‘stakeholders’ locais sendo um dinamizador da economia local e contribui determinantemente na atractividade da região”, sublinhou Gil Ferreira.

A edição 2014 contou com a participação de 502 artistas de 45 companhias, oriundas de nove países (França, Portugal, Espanha, Holanda, Reino Unido, Alemanha, Itália, Chile e Sérvia).

Ao longo de dois dias, foram produzidos 35 espectáculos e projectos artísticos (13 estreias absolutas, 14 estreias nacionais e quatro criações Imaginarius), num total de 139 apresentações e intervenções de rua, nas áreas de teatro, teatro físico, novo circo, intermédia, performance, clown, música, instalação, multimédia e dança.

Este ano a realização de workshops e residências artísticas – dirigidos a diferentes públicos – mereceu um maior destaque.

A Câmara Municipal da Feira encara o investimento na Cultura como o meio e fim do desenvolvimento. O Imaginarius enquadra-se nesse desiderato e é esse o caminho que queremos continuar a trilhar”, acrescentou o autarca.