Corporações ensaiaram combate a incêndio de grandes proporções em Oliveira de Azeméis. Ministro Miguel Macedo salientou o reforço de meios e da formação Corporações ensaiaram combate a incêndio de grandes proporções em Oliveira de Azeméis. Ministro Miguel Macedo salientou o reforço de meios e da formação Alberto Oliveira e Silva

Oliveira de Azeméis, 8 de Abril de 2014 

Por Alberto Oliveira e Silva

Bombeiros do distrito reforçam operacionalidade em Oliveira de Azeméis

Na próxima “época quente”, os bombeiros portugueses contarão com mais 50 equipas de combate a incêndio e com dois aviões “Canadairs”, garantiu Miguel Macedo, o ministro da Administração Interna que visitou no sábado o simulacro de combate a incêndio realizado em Oliveira de Azeméis e que envolveu efectivos das 25 corporações do distrito de Aveiro.

A novidade foi dada por Paulo Vitória, comandante dos voluntários oliveirenses e das operações em curso.

O ministro tinha, antes, sublinhado à imprensa a importância do treino como forma de incrementar a operacionalidade das corporações portuguesas.

Para que, na hora da verdade, todas as entidades saibam o que fazer”, salientou Miguel Macedo, a respeito do “La Salette 14” – designação oficial do exercício -, vincando que incluiu todos os bombeiros distritais e entidades como a GNR e o INEM. Ainda acentuou que, por todo o País, decorriam acções de treino.

O governante enfatizou que a aposta na formação e treinamento é vector estratégico do sistema nacional de combate a incêndios. Referiu que a Escola Nacional de Bombeiros está a dar “formação específica” a cerca de 3.400 voluntários.    

Convidado a destacar o mais importante neste contexto, sublinhou que “a formação, a treino, os meios operacionais e a colaboração entre entidades” são factores “importantes” e não-dispensáveis para garantir uma efectiva protecção das populações e do território.