O vice-primeiro-ministro disse que a Vicaima tem sabido estar “à frente do seu tempo”, o que – acentuou – “explica o seu sucesso” O vice-primeiro-ministro disse que a Vicaima tem sabido estar “à frente do seu tempo”, o que – acentuou – “explica o seu sucesso” D. R.

Economia, 20 de Fevereiro de 2014 

Por Alberto Oliveira e Silva

Portas aponta exemplo da “Vicaima” num Portugal “de esperança”

Por cada empresa que fecha, duas nascem”, afirmou Paulo Portas, sublinhando que os indicadores que apontam para uma recuperação económica do País “são sinais de esperança”.

O vice-primeiro-ministro visitou segunda-feira a empresa “Vicaima”, tendo “presidido” à assinatura do contrato, entre a empresa de Vale de Cambra e o AICEP, que vai permitir a concretização do projecto “Door3D-Digital”.

Representando um investimento global de cinco milhões de euros – dois milhões de euros financiados por fundos europeus -, permitirá à firma da “Suíça portuguesa” avançar para a produção de “uma porta inovadora”, que será lançada nos mercados durante o próximo ano.

Paulo Portas salientou que a Vicaima tem sabido estar “à frente do seu tempo”, o que – acentuou – “explica o seu sucesso”.

O “número 2” do Governo acentuou o exemplo desta empresa, não só pela sua reconhecida capacidade exportadora, mas também pelo exemplo que dá com este novo produto.

É este o caminho para recuperarmos investimento”, vincou, referindo-se a valores como a inovação e ao foco na internacionalização.

Também destacou a importância da simplificação de processos burocráticos, com o fim de desbloquear investimentos e negócios. Assinalou que a negociação do contrato da “Door3D-Digital” iniciou-se em finais de Agosto de 2013, estando terminada no final do ano.

A inovação está no ADN da Vicaima

Ainda relevou a importância da diplomacia económica, tendo acentuado que, para este ano, o Governo tem agendadas visitas políticas e missões empresariais a 13 dos mercados internacionais considerados prioritários.

Arlindo Costa Leite, o presidente da Vicaima, salientou a aposta na inovação tecnológica inerente à nova linha de produção. “Cabe às empresas inovar e desenvolver ideias com potencial para se projectarem além-fronteiras”, enfatizou o empresário.

Vincou que o novo projecto centrar-se-á na “qualidade percebida pelo consumidor”, num processo que visa “dar resposta” à tendência para “a individualização” de gostos e de necessidades. “A inovação está no ADN da Vicaima”, proclamou.

Criada em 1959, a empresa valecambrense produz anualmente mais de um milhão de portas. Com filiais em Espanha, no Reino Unido, no Brasil e em Marrocos, exporta 90 por cento da sua produção para um total de 27 países.

A nova linha de portas poderá aumentar as exportações em cinco por cento, almejando chegar a países como a Argélia, Holanda, Eslováquia, México, Turquia, China e Singapura.

O Grupo Vicaima emprega cerca de 900 pessoas, sendo de assinalar que o novo projecto virá aumentar esse efectivo: 12 novos postos de trabalho qualificados e mais 20 empregos em fábrica.