Projecto em Santa Maria da Feira visa criar redes de ajuda mútua, envolvendo pessoas individuais, mas também actores comunitários Projecto em Santa Maria da Feira visa criar redes de ajuda mútua, envolvendo pessoas individuais, mas também actores comunitários Alberto Oliveira e Silva

Santa Maria da Feira, 21 de Janeiro de 2014 

Por Redacção

“Banco de Tempo” já conta com 81 membros

O “Banco de Tempo” de Santa Maria da Feira já conta com 81 membros, os quais têm trocado disponibilidades e saberes entre si, em áreas como os arranjos de costura, o arranjo de situações relacionadas com a electricidade, aulas de guitarra e a conversação em inglês.

Margarida Portela, a coordenadora deste movimento em território santamariano – com base-fixa na “Casa do Moinho”, na cidade da Feira –, disse à Imprensa, no final da apresentação do projecto, que os aderentes “preenchem uma ficha”, como se abrissem conta num banco, elencando os seus dados pessoais, bem assim como “os serviços que estão dispostos a oferecer”.

As cartas de parceria entre a Associação “Graal”, que promove esta iniciativa a nível nacional – já existem 29 Agências do Banco de Tempo em Portugal – e internacional, o município de Santa Maria da Feira e a empresa “Zon Optimus” foram assinadas recentemente.

A coordenadora ainda referiu que decorrem contactos com instituições da sociedade civil, que poderão aderir a esta rede de ajuda e de criação de laços comunitários.

Deu como exemplo a empresa municipal “Feira Viva”, tendo, contudo, acentuado que também será provável a inclusão das IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social) do Concelho.

Emídio Sousa, o presidente da Câmara Municipal, realçou, precisamente, o dinamismo da sociedade local, referenciando os 110 parceiros da Rede Social como prova de que os seus munícipes sabem mobilizar-se em prol da comunidade e das boas causas.

Disponibilizar tempo é disponibilizar a nossa vida”, salientou o autarca, sobre este projecto.