A pintora Elena Muriel foi casada com o escritor Ferreira de Castro (na foto) A pintora Elena Muriel foi casada com o escritor Ferreira de Castro (na foto) D. R.

Cultura, 17 de Dezembro de 2013 

Por Redacção

Centenário do nascimento de Elena Muriel

Incluir o nome da pintora Elena Muriel na toponímia da cidade de Oliveira de Azeméis é o objectivo de um grupo de personalidades ligadas á cultura que apresentou essa sugestão à Câmara Municipal há já dois anos, renovando agora esse pedido.

No próximo dia 27 de Dezembro comemora-se o centenário do nascimento da artista plástica que foi casada com o escritor Ferreira de Castro. Para além dessa proposta alguns dos promotores da iniciativa irão depositar uma coroa de flores na campa de Elena Muriel, no cemitério de Ossela, terra natal do autor de “Emigrantes” e “A Selva”, dois dos melhores romances da literatura da emigração.

Será um gesto muito simples mas tem um grande simbolismo porque evidencia o merecido reconhecimento público a uma grande artista e a uma pessoa de invulgar faceta humana apelando a que todos os que a admiravam façam nesse dia de forma mais ou menos organizada uma romagem ao cemitério de Ossela”, refere Sérgio Ferreira, fundador do Instituto de Cultura Ferreira de Castro.

Elena Muriel Martinez de La Pera Ferreira de Castro nasceu em Espanha, tendo-se refugiado em Portugal aquando da Guerra Civil no país vizinho.

Em Lisboa conheceu o escritor Ferreira de Castro com quem viria a casar (Paris) e a ter uma filha, Elsa Beatriz, médica psiquiatra de grande prestígio.

Pintora de mérito, dedicou, todavia, a maior parte da sua vida a acompanhar o seu marido “’recolhendo-se, por amor, ao quase anonimato’, conforme confidenciou em entrevista à revista Marie Claire”, lembra Sérgio Ferreira.

Tive a oportunidade de conversar demoradamente e por diversas vezes com Elena Muriel – conjuntamente com a jornalista Alexandra Ramos – na sua residência na Rodrigues Sampaio, em Lisboa, recolhendo depoimentos para a edição de um livro que teria o título de ‘Elena, dá-me o teu olhar’, projecto que infelizmente não se concretizou, embora a recolha tenha sido concluída e até feita a pré-maquetagem”, recorda Sérgio Ferreira.

Após a morte de seu marido, Elena Muriel manteve a ligação a Oliveira de Azeméis “onde tinha, em Ossela, vários verdadeiros amigos que muito a admiravam, nomeadamente, a dona Manuela e o senhor José Maria, zeladores de inexcedível dedicação da Casa-Museu e da Biblioteca Ferreira de Castro e o filho José Rodrigues dos Santos”, acrescenta.

Empenhada no êxito do Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro, esteve presente em muitas sessões de entrega dos prémios.

Também esteve presente na inauguração da livraria Ferreira de Castro, nas Comemorações Nacionais do Cinquentenário de “A Selva”, tendo ainda sido fundadora do Instituto de Cultura Ferreira de Castro e presidente do seu Conselho Consultivo.

Em Oliveira de Azeméis foi organizada uma “maravilhosa exposição de pintura de Elena Muriel, no salão nobre dos Bombeiros Voluntários, a qual depois seguiu para a galeria de ‘O Primeiro de Janeiro’ mas já com todos os trabalhos vendidos”, lembra Sérgio Ferreira.

Após a sua morte foi proposto à autarquia a criação do “Prémio Elena Muriel Pintura”, iniciativa que, contudo, não se veio ainda a concretizar, bem como a realização de uma exposição que assinalasse o seu percurso como artista plástica.