Se há coisa que se preze no marketing é atingir objetivos e Flávio Gart assim o fez, perante um auditório repleto com cerca de 180 participantes Se há coisa que se preze no marketing é atingir objetivos e Flávio Gart assim o fez, perante um auditório repleto com cerca de 180 participantes D. R.

Santa Maria da Feira, 14 de Novembro de 2013 

Por Redacção

“Marketing de Guerrilha” no ISVOUGA com especialista brasileiro

A 11ª Marketing Session decorreu no Instituto Superior de Entre Douro e Vouga (ISVOUGA), em Santa Maria da Feira, no passado dia 07 de Novembro, desta vez dedicada ao tema do “Marketing de Guerrilha”.

O responsável pela organização do evento e docente, Jorge Remondes – também moderador desta iniciativa – deu o mote, introduzindo o convidado Flávio Gart, responsável pela Bazooka, empresa especializada em acções de marketing viral e de guerrilha.

A surpresa aconteceu quando a meio desta introdução um grupo de estudantes se “mascarou” de “soldados-caveira” fazendo com que o “guerrilheiro” brasileiro se sentisse completamente na sua zona de conforto, tendo este aderido à acção e sem qualquer complexo o próprio se tornou um “soldado” por breves instantes.

Acompanhado dos seus famosos “colegas” criativos, T-Rex e Pig Bank, o brasileiro “nascido em Chaves”, como se autobiografou, iniciou a sua apresentação com o seu conceito de marketeer: “It’s not how good you are its how hard you work”. Na sua perspetiva, o “Marketing de Guerrilha” é uma forma não convencional de atrair um determinado público, onde o impacto tem de ser sempre superior ao investimento realizado, sendo a acção capaz de gerar buzz (difusão de comentários), extrapolando os seus efeitos para uma escala enorme. Portanto, criar acontecimentos que marquem e sejam disseminados pelos media em forma de notícia é a principal razão desta variante do marketing. “Imaginem a vossa marca projectada na lua, o boom que iria criar”, soltou Gart aquando do seu exemplo sobre a marca coca-cola.

Como “o marketing sem números é filosofia” Flávio Gart tratou de demonstrar três “case studies” nos quais participou enquanto membro da empresa Bazooka. O primeiro foi da Grupótico, marca portuguesa do ramo da oftalmologia; o segundo da Dreambooks, uma empresa produtora de álbuns digitais; e o terceiro, caso envolvendo a blip, organização da área da programação industrial e aplicações web sediada na cidade do Porto. Importante será dizer que todas estas três empresas “intervencionadas” pela Bazooka tiveram resultados muito relevantes nos objetivos estratégicos das organizações envolvidas, aumentando a exposição mediática, impulsionando a imagem e até aumentando o volume de vendas.