Observar e compreender o fenómeno das “Pedras Parideiras” - de forma lúdica, pedagógica e devidamente orientada - é o principal objectivo do equipamento Observar e compreender o fenómeno das “Pedras Parideiras” - de forma lúdica, pedagógica e devidamente orientada - é o principal objectivo do equipamento D. R.

Arouca, 31 de Outubro de 2013 

Por Redacção

30 mil visitantes no primeiro ano da Casa das Parideiras

De portas abertas há um ano, a Casa das Pedras Parideiras – Centro de Interpretação já acolheu cerca de 30.000 visitantes, revelou fonte da Associação Geoparque Arouca (AGA).

Vieram do Brasil, Angola, Suíça, Alemanha, França, Inglaterra, Itália, Espanha, Holanda, Noruega e de todo o território nacional “em busca de maior conhecimento sobre este fenómeno geológico de relevância internacional”.

Para assinalar o primeiro aniversário, a AGA organiza no próximo domingo )a partir das 15:00) um convívio na Aldeia da Castanheira (Serra da Freita), com o envolvimento da comunidade local.

A Casa das Pedras Parideiras é provavelmente um dos melhores exemplos de aplicação de fundos comunitários, no âmbito do PRODER. Com um investimento total de apenas 200 mil euros, este projecto contribui de forma significativa para o reforço da atractividade e sustentabilidade do Arouca Geopark, território classificado pelas Redes Europeia e Global de Geoparques, sob os auspícios da UNESCO”, refere António Carlos Duarte, coordenador executivo da AGA.