No Porto a apresentação do livro contou com a presença do historiador Hélder Pacheco No Porto a apresentação do livro contou com a presença do historiador Hélder Pacheco D. R.

Cultura, 18 de Setembro de 2013 

Por Redacção

Abílio Guimarães na Biblioteca Ferreira de Castro

O pintor Abílio Guimarães apresenta esta quinta-feira, 21:30, na Biblioteca Municipal Ferreira de Castro o seu livro autobiográfico “Autenticidades”.

A obra, com 200 páginas relata as vivências do artista plástico desde o seu nascimento na rua do Urgal, em Oliveira de Azeméis, à partida para a cidade do Porto onde viveu com pais e irmãos no típico bairro Herculano de onde saiu para a vida militar na Guiné.

A actividade docente e várias “viagens” pelas suas mais significativas exposições individuais em Portugal, Brasil, Venezuela e Estados Unidos da América, são outros capítulos do livro.

É uma viagem por toda a minha vida, acolhendo testemunhos de amigos que me acompanharam e apoiaram na vida como pintor mas também reunindo ‘momentos’ mais intimistas com a minha família”, afirma Abílio Guimarães.

Uma pequena mostra de alguns quadros com imagens de Oliveira de Azeméis, Ul e Porto, para além de originais pinturas “moldando cabaças” enriquecerão o evento.

Carlos Cunha, um oliveirense actualmente radicado no Porto com vasto currículo no movimento associativo na sua terra natal e também no Porto (actualmente é membro da Associação de Jornalista e Homens de Letras do Porto) e Manuel de Novais Cabral (presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto) farão a apresentação do pintor e do livro que contará ainda com a declamação da poetisa Susana Guimarães, filha do pintor.

 Exposição na Casa do Infante

No Porto a apresentação do livro contou com a presença do historiador Hélder Pacheco que fez uma intervenção centrada nos 250 anos da Torre dos Clérigos e de Susana Guimarães que declamou um poema dedicado a seu pai.

Sérgio Ferreira recordou a simplicidade do “amigo Abílio” e as míticas exposições que o artista fez, particularmente nos EUA, Brasil e Venezuela, e que foram “verdadeiras afirmações de portugalidade”.

A animação musical esteve a cargo de antigos colegas de docência de Abílio Guimarães, numa cerimónia coordenada pelo professor Jorge Filipe.

A exposição “A Torre” estará patente ao público na Casa do Infante até 06 de Outubro e  reúne 50 quadros com imagens do emblemático monumento portuense.