A aldeia, com cerca de 80 habitantes, deixou de ser local de trânsito de passageiros que utilizavam a via fluvial, mas o seu potencial paisagístico continua a atrair turistas A aldeia, com cerca de 80 habitantes, deixou de ser local de trânsito de passageiros que utilizavam a via fluvial, mas o seu potencial paisagístico continua a atrair turistas Patrícia Ferreira

Região, 2 de Agosto de 2013 

Por Redacção

Há Festa na Aldeia recupera antiga romaria em Porto Carvoeiro

O regresso da festa em honra de S. Lourenço, que já não se realizava há cerca de cinco anos, é um dos atractivos do programa do quarto evento-âncora do Há Festa na Aldeia, a decorrer em Porto Carvoeiro nos próximos dias 10 e 11 de Agosto.

A nossa estratégia assenta na preservação da identidade local – estimulando o sentimento de pertença das populações residentes – e este é mais um exemplo do nosso desiderato”, afirma Emídio Sousa, presidente da entidade promotora, a Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM).

Nesta povoação do concelho de Santa Maria da Feira são várias as propostas do programa que promete muita animação ao longo dos dois dias, onde se destaca um conjunto diversificado de actividades, como música, teatro, feirinha de produtos locais e gastronomia.

O projecto, que tem ultrapassado todas as nossas expectativas, tem transformado as aldeias, tornando-as mais atractivas. Porto Carvoeiro não é excepção e a sua população prepara com afinco o Há Festa na Aldeia”, salienta Emídio Sousa.

Tornar a aldeia de Porto Carvoeiro “com vida e combater a desertificação” é, precisamente, um dos desafios da Junta de Freguesia de Canedo, que vê no projecto Há Festa na Aldeia “um contributo decisivo” para essa ambição.

Canedo quer voltar a olhar o rio Douro de frente e esta é uma janela de oportunidade para dinamizar a localidade, cujo seu porto fluvial chegou a ser o maior entreposto comercial do concelho, submergido pela construção da Barragem de Crestuma/Lever”, diz o presidente da autarquia, Vítor Marques.

Já não há barcos rabelos neste troço do rio onde outrora saíam para a cidade do Porto transportando madeiras, lenhas e carvão, mas ainda se pesca a lampreia, o sável, a savelha, o muge ou o barbo.

A aldeia, com cerca de 80 habitantes, deixou também de ser local de trânsito de passageiros que utilizavam a via fluvial, mas o seu potencial paisagístico continua a atrair turistas que apreciam este povoado da mais populosa freguesia feirense.

Projecto pioneiro de desenvolvimento do território, financiado pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), o Há Festa na Aldeia é promovido pela ADRITEM nas aldeias de Areja, Couce, Porto Carvoeiro, Ul e Vilarinho de S. Roque.

O desafio passa por envolver activamente a população estimulando os usos e costumes, as tradições culturais e a gastronomia.

O Há Festa na Aldeia em porto Carvoeiro conta com a parceria do município de Santa Maria da Feira e o apoio da Junta de Freguesia de Canedo.