Representando um investimento de 2,2 milhões de euros, o edifício ficará situado na zona industrial do Roligo, em Espargo Representando um investimento de 2,2 milhões de euros, o edifício ficará situado na zona industrial do Roligo, em Espargo D. R.

Cultura, 31 de Julho de 2013 

Por Alberto Oliveira e Silva

“Caixa das Artes” vem dar asas à criatividade feirense

Foi lançada esta terça-feira a primeira pedra do pólo 1 da “Caixa das Artes”, a futura mola impulsionadora das indústrias criativas em Santa Maria da Feira. Representando um investimento de 2,2 milhões de euros, o edifício ficará situado na zona industrial do Roligo, em Espargo, bem perto da capital concelhia.

Este pólo terá oficinas, espaços de representação, de concertos, para conferências e para desfiles de moda. Contará, ainda, com estúdios de gravação e com uma praça exterior para representação.

Quando completa, a estrutura terá três pólos, incluindo o actual Cine-Teatro António Lamoso, que será remodelado e requalificado como sala de espectáculos para 600 pessoas, e um novo edifício a edificar – início da construção está para breve – no terreno onde existe hoje a Pedreira das Penas, um problema ambiental localizado no coração da cidade da Feira.

Emídio Sousa, o vice-presidente da Câmara, explicou que o conceito “Caixa das Artes” vem aproveitar o saber-fazer de que Santa Maria da Feira tem vindo a dar mostras em actividades artísticas, nomeadamente no teatro de rua e em eventos como o Imaginarius e a Viagem Medieval.

O projecto prevê a construção de residências para artistas, de uma incubadora da criatividade, de uma Área de Acolhimento Empresarial de Negócios Criativos, de espaços para aprendizagem e educação criativa, e de investigação para artes do espaço público. Não faltarão, também, espaços cénicos.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Manuel Castro de Almeida, participou na cerimónia de lançamento da primeira pedra do equipamento.