Fausto de Melo nasceu na freguesia de Carregosa, em Oliveira de Azeméis Fausto de Melo nasceu na freguesia de Carregosa, em Oliveira de Azeméis D. R.

Oliveira de Azeméis, 17 de Maio de 2013 

Por Redacção

Tertúlia evocativa do professor Fausto de Melo

O professor Fausto de Melo vai ser lembrado numa tertúlia que decorrerá este sábado na adega Mota, em Oliveira de Azeméis.

A iniciativa pretende reunir antigos alunos que conviveram com o saudoso e prestigiado mestre da língua portuguesa que leccionou no extinto colégio e escola industrial e comercial da cidade.

Fausto de Melo nasceu na freguesia de Carregosa oriundo de família humilde e foi com os “bons ofícios” do seu irmão padre Alírio de Melo que ingressou no seminário, em Coimbra.

Aí permaneceu até ao último ano do curso de Teologia, altura em que decidiu abandonar a “vocação eclesiástica”.

 Saída do seminário

É então que ruma ao Porto – onde vive num pequeno quarto – iniciando a sua actividade docente no Colégio dos Carvalhos, à época provavelmente o mais renomado estabelecimento de ensino não universitário do norte do País.

Entretanto, após um curto namoro, contrai matrimónio. Com o nascimento dos filhos, Fausto de Melo debate-se com o problema de o colégio onde leccionava apenas receber estudantes do sexo masculino. Por essa razão vê-se obrigado a procurar outro estabelecimento de ensino “misto”, possibilitando assim que as suas filhas pudessem estudar porquanto uma das vantagens de se ser professor no ensino particular era que, em muitos casos, a frequência dos filhos fosse gratuita.

 Colégio de Oliveira de Azeméis

É então que vai para Vale de Cambra dar aulas. Por pouco tempo. E resolve aceitar o convite do Colégio de Oliveira de Azeméis para aí leccionar as disciplinas de Português e História.

É aí que se notabiliza pela qualidade das “lições” que dá a várias gerações de estudantes.

Tenho do professor Melo as melhores recordações. Competente e com uma invulgar capacidade de comunicação. Mas também o recordo como uma personalidade extraordinária, uma pessoa de exemplar conduta cívica, um homem de louvável simplicidade capaz de com muito esforço ter tido uma vida com grande dignidade e de ter feito tudo para dar aos seus filhos uma educação não menos exemplar”, diz Sérgio Ferreira.

Já Óscar Amorim, também um antigo aluno, salienta a “simpatia com que sempre me tratou, estimulando-me a escrever e conversando comigo, ainda um jovem, de igual para igual”.

Com o encerramento do colégio que coincide com o surgimento do ensino liceal público no concelho, Fausto de Melo não abandona o ensino.

 Na escola industrial e comercial

Acabará ainda por dar aulas na escola industrial e comercial de Oliveira de Azeméis – notabilizada pela excelência dos seus professores – numa altura em que a comissão administrativa daquela escola incluía, entre outros, os professores Avelino Cabral, António Maria e Carlos Cunha.

Finalmente reformado, Fausto de Melo mantém uma colaboração permanente nos jornais Voz de Azeméis e Correio de Azeméis, assegurando uma “coluna” sobre a língua portuguesa.

A tertúlia realiza-se na adega Mota – próxima da casa onde Fausto de Melo viveu a maior parte da sua vida – e inicia-se com um jantar/convívio seguido da declamação de poemas de Rosa Melo (filha) e de um momento musical (violoncelo) com a colaboração da sua neta, Fátima Melo.

Carlos Silva, prestigiado saxofonista, tendo tomado conhecimento desta iniciativa acedeu também a estar presente nesta jornada de evocação a uma figura emblemática do ensino em Oliveira de Azeméis.