O presidente da autarquia, José Artur Neves, durante a sua intervenção na cerimónia de inauguração do equipamento O presidente da autarquia, José Artur Neves, durante a sua intervenção na cerimónia de inauguração do equipamento D. R.

Arouca, 8 de Novembro de 2012 

Por Redacção/EDVI

Casa das Pedras Parideiras valoriza património geológico

A Casa das Pedras Parideiras, um investimento de cerca de 190 mil euros, “valoriza um dos geossítios de maior relevância” do Geoparque Arouca, afirmou o presidente da autarquia, José Artur Neves.

As ‘pedras parideiras’ significam muito para Arouca, mas o facto de nunca aquele espaço ter tido qualquer requalificação despromovia, de algum modo, a importância do lugar”, disse à EDV Informação.

Segundo o autarca, a inauguração da Casa das Pedras Parideiras, que decorreu no passado fim-de-semana, representou “um dos momentos mais felizes enquanto presidente da Câmara”.

Fenómeno geológico único no mundo, as “pedras parideiras” – rochas graníticas que “expulsam” do seu interior nódulos de mica preta – localizam-se na aldeia da Castanheira, na freguesia de Albergaria da Serra.

A intervenção foi financiada em cerca de 60 por cento pelo programa PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural), medida 3.1, gerido localmente pela Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras do Montemuro, Arada e Gralheira (ADRIMAG).

Com este centro de interpretação conseguimos mais uma valência importante no conjunto de espaços a serem visitados pelos turistas, reforçando-se a atractividade do coração da Serra da Freita”, acrescentou José Artur Neves.

Arouca integra desde 22 Abril de 2009 as redes Europeia e Global de geoparks.

A candidatura foi aprovada, por unanimidade, pelos 64 membros do comité da entidade tutelada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O Arouca Geopark tem por base as trilobites da “pedreira do Valério”, em Canelas, e as «pedras parideiras».

Na diversidade dos “geossítios” do geoparque destacam-se ainda fenómenos como a Frecha da Mizarela, as pedras “Boroas” ou as “Marmitas de Gigante”.

Criada a 09 de Junho de 2008, a Associação Geoparque Arouca é a entidade gestora do projecto, que se estende por uma área de 329 quilómetros quadrados, correspondendo a todo o território deste concelho do Norte do distrito de Aveiro.