O ministro Miguel Relvas (na foto, à direita, acompanhado por Castro Almeida) testou o novo serviço O ministro Miguel Relvas (na foto, à direita, acompanhado por Castro Almeida) testou o novo serviço Fernando Pinho/EDVI

S. João da Madeira, 15 de Junho de 2012 

Por Redacção/EDVI

SANJONET deve ser “gerador de projectos semelhantes”, diz Miguel Relvas

A criação da SANJONET – Rede Municipal Sem Fios de Acesso à Internet, com utilização gratuita, constitui “um projecto ousado”, devendo servir de exemplo para o País, afirmou o ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas.

O município de S. João da Madeira é hoje pioneiro. Espero, agora, que este acto de atrevimento seja gerador de projectos semelhantes”, disse, elogiando a aposta da autarquia local “na inovação e no empreendedorismo”.

Miguel Relvas falava hoje na cerimónia de lançamento da nova rede que abrange todas as áreas residenciais e empresariais de S. João da Madeira, tornando-se desta forma no primeiro concelho wireless em Portugal.

É, de facto, este modelo que hoje temos de exigir às autarquias, implementando iniciativas mais ousadas, capazes de gerar coesão”, sublinhou o ministro.

Durante a sessão foi assinado um protocolo entre a Câmara de S. João da Madeira e o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores (INESC) do Porto. O INESC foi consultor para o lançamento do concurso e, a partir de agora, estudará a rede envolvendo participantes num programa doutoral, desenvolvido em parceria com uma universidade americana. Com base nesse trabalho, o INESC procederá à experimentação de novas soluções e serviços por si desenvolvidos.

Com uma vocação especial para os principais locais públicos e para os bairros sociais, onde a velocidade de acesso à rede será maior, a SANJONET “será um instrumento poderoso de desenvolvimento social e económico”, salientou o presidente da autarquia, Castro Almeida.

Com esta rede agora criada vamos ter um território mais competitivo e também um concelho mais solidário, na lógica da igualdade de oportunidades”, disse.

Segundo o autarca, a rede disponível corresponde a uma primeira fase do projecto, uma vez que será necessário verificar quais são as zonas do concelho que irão gerar mais procura. Em função dessa distribuição dos acessos, irão iniciar-se os reforços de largura de banda que sejam necessários.

Para já – e de acordo com informações técnicas – foram detetadas boas velocidades em 88,5 por cento dos 166 pontos medidos: nos bairros sociais essa percentagem sobe para 89,74 por cento e nos 30 principais locais de interesse público para 93,33 por cento.

Qualquer pessoa pode ter acesso à rede durante meia-hora para fazer o que entender, nomeadamente inscrever-se como utente. Para navegar mais do que esse período, já é necessária a inscrição, sendo que cada utilizador terá 2 GB de tráfego (capacidade para fazer downloads ou uploads) disponíveis por mês.

A partir desta sexta-feira funcionará um serviço de assistência aos utilizadores da rede, vulgo ”helpdesk”, entre as 09:00 e as 18:00 nos dias úteis e entre as 14:00 e as 17:00 aos sábados, domingos e feriados.