Apresentação do evento no Palácio de Cristal, no Porto. Da esquerda para a direita: José Artur Neves (presidente da Câmara de Arouca), Rui Rio (presidente da Junta Metropolitana do Porto) e Artur Sá (coordenador científico do Arouca Geopark) Apresentação do evento no Palácio de Cristal, no Porto. Da esquerda para a direita: José Artur Neves (presidente da Câmara de Arouca), Rui Rio (presidente da Junta Metropolitana do Porto) e Artur Sá (coordenador científico do Arouca Geopark) Ivo Brandão

Arouca, 13 de Junho de 2012 

Por Redacção/EDVI

Lançamento da 11ª Conferência Europeia de Geoparques

A 11ª Conferência Europeia de Geoparques, marcada para Arouca entre 19 e 21 de Setembro, “reforça a aposta do concelho no sector do turismo”, afirmou o presidente da autarquia, José Artur Neves.

Trata-se da reunião magna dos geoparques europeus, que irá trazer a Arouca, esperamos, centenas de participantes, que irão reflectir e debater os progressos da Rede Europeia de Geoparques, e trocar ideias e boas práticas para um crescimento inteligente, inclusivo e sustentável destes territórios, por toda a Europa”, disse o autarca.

A 11ª Conferência Europeia de Geoparques, a decorrer na Escola Secundária de Arouca, realiza-se pela primeira vez na região Norte de Portugal.

Sob o mote “Geoparks: a contribuition for smart, inclusive and sustainable growth” (Geoparques: um contributo para um crescimento inteligente, inclusivo e sustentável), a reunião magna inclui a estratégia “Europa 2020”, onde pretende destacar “a importância e o contributo da abordagem geoparques nas áreas do conhecimento e da inovação, do incremento de uma economia sustentável, do emprego e da inclusão social”.

A conferência irá contar com comunicações de oradores convidados, apresentações orais, posters seleccionados, uma saída de campo ao Arouca Geopark e, ainda, a possibilidade de visitas de estudo ao Geopark Naturtejo e ao projeto Geopark Açores.

A Conferência Europeia de Geoparques é um evento que se realiza anualmente em diferentes geoparques membros da EGN (European Geoparks Network), com o objetivo de “promover e valorizar o conhecimento e a inovação, inerentes ao processo de desenvolvimento sustentável destes territórios”.

Arouca integra desde 22 Abril de 2009 as redes Europeia e Global de geoparks.

A candidatura foi aprovada, por unanimidade, pelos 64 membros do comité da entidade tutelada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Somos, hoje, e muito graças ao reconhecimento pelas redes UNESCO do interesse e relevância do nosso património geológico, natural, histórico, etnográfico e cultural, um destino atractivo. Um destino onde o visitante viaja no tempo, revive a história da Terra, visitando os nossos geossítios”, sublinhou José Artur Neves.

O Geopark Arouca tem por base as trilobites da “pedreira do Valério”, em Canelas, e as “pedras parideiras”.

Na diversidade dos “geossítios” do geoparque destacam-se ainda fenómenos como a Frecha da Mizarela, as pedras “Boroas” ou as “Marmitas de Gigante”.