As obras arrancaram em Maio do ano passado As obras arrancaram em Maio do ano passado D. R.

Arouca, 20 de Abril de 2012 

Por Redacção/EDVI

Centro de Interpretação Ambiental das Pedras Parideiras concluído este Verão

O futuro Centro de Interpretação Ambiental das Pedras Parideiras, um investimento de cerca de 190 mil euros, deverá ficar concluído no próximo mês de Junho, revelou o presidente da autarquia, José Artur Neves.

Estão a decorrer a bom ritmo as obras de infraestruturação do geossítio das ‘Pedras Parideiras’, que arrancaram em Maio do ano passado”, disse, em declarações à EDV Informação, salientando que “o resultado final dos trabalhos será muito interessante, criando-se ali um espaço mais atractivo”.

Segundo o autarca, a intervenção visa “a construção de um Centro de Interpretação Ambiental e núcleo museológico, bem como de um percurso pedonal de visita, em torno do maciço principal de afloramento”.

Fenómeno geológico único no mundo, as “pedras parideiras” – rochas graníticas que “expulsam” do seu interior nódulos de mica preta – localizam-se na aldeia da Castanheira, na freguesia de Albergaria da Serra.

A intervenção é financiada em cerca de 60 por cento pelo programa PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural), medida 3.1, gerido localmente pela Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Serras do Montemuro, Arada e Gralheira (ADRIMAG).

Esperamos ter o espaço já inaugurado aquando da realização em Arouca da XI Conferência Europeia de Geoparks, marcada para o próximo mês de Setembro”, sublinhou José Artur Neves.

Arouca integra desde 22 Abril de 2009 as redes Europeia e Global de geoparks.

A candidatura foi aprovada, por unanimidade, pelos 64 membros do comité da entidade tutelada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O Geopark Arouca tem por base as trilobites da “pedreira do Valério”, em Canelas, e as “pedras parideiras”.

Na diversidade dos “geossítios” do geoparque destacam-se ainda fenómenos como a Frecha da Mizarela, as pedras “Boroas” ou as “Marmitas de Gigante”.

Criada a 09 de Junho de 2008, a Associação Geoparque Arouca é a entidade gestora do projecto, que se estende por uma área de 329 quilómetros quadrados, correspondendo a todo o território deste concelho do Norte do distrito de Aveiro.