As esculturas do artista nascem da manipulação da madeira com recurso a uma motosserra As esculturas do artista nascem da manipulação da madeira com recurso a uma motosserra EDVI

Cultura, 30 de Novembro de 2011 

Por Fernando Pinho

Obra de Paulo Neves exposta em Bruxelas – vídeo

O escultor Paulo Neves inaugura esta sexta-feira uma exposição na “Orfeu”, conhecida livraria portuguesa em Bruxelas (Bélgica).

“Meandros” é o título da mostra que reúne naquele espaço até final do ano 14 peças em madeira e pedra, todas de concepção recente.

Gosto muito das peças que compõem a exposição e, por isso, estou com alguma expectativa neste contacto com novos públicos”, disse Paulo Neves, em declarações à EDV Informação.

Esta mostra fora de portas surge também num ano em que assinalo três décadas dedicadas à escultura, actividade onde me sinto o homem mais feliz do mundo”, afirmou.

O escultor, que parte hoje para a capital belga, onde irá permanecer durante uma semana, já trabalha para o próximo ano, designadamente nas obras para a “Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura”.

Para Paulo Neves é “natural” que a arte se ressinta numa situação de crise, por não ser um artigo de primeira necessidade, mas espera que melhores dias virão.

Temos de continuar a trabalhar com afinco, não podemos desistir. Só assim as coisas acontecem”, sublinhou o artista.

Fátima Pombo, docente na Universidade de Aveiro, refere sobre Paulo Neves que “em 30 anos de obra criada, o escultor trabalha a síntese difícil e inacabada entre a realidade sensível da natureza – do peso, da sombra, do corpo, do delírio, da forma, da queda, da terra – e a realidade contemplativa do espírito – do encontro, da ideia, da luz, da alma, da pureza, do apelo, do céu”.

Natural de Cucujães (Oliveira de Azeméis), onde nasceu em 1959, Paulo Neves frequentou o curso de pintura da Escola Superior de Belas Artes do Porto, tendo convivido e trabalhado com artistas em vários países da Europa.

Expõe regularmente desde 1980.

Com peças em diversas colecções portuguesas – como no Museu de Arte Moderna do Porto, Museu Amadeo de Souza-Cardoso ou Museu da Electricidade – o escultor está também representado nos Estados Unidos, França, Espanha, Brasil, Holanda, Bélgica, Roménia, Austrália, Marrocos e Alemanha.

O artista tem recebido vários prémios e distinções. Em paralelo, participa em diversos eventos culturais e em simpósios de escultura em Portugal e no estrangeiro.