“A escrita, para mim, é algo, íntimo quase secreto” “A escrita, para mim, é algo, íntimo quase secreto” D. R.

Cultura, 16 de Novembro de 2011 

Por Redacção/EDVI

Carla Sousa Marques apresenta “In-finitos Sentires”

“In-Finitos Sentires” é o título do livro de poesia, da autoria de Carla Sousa Marques, a apresentar esta sexta-feira em Oliveira de Azeméis, anunciou fonte do Instituto de Cultura Ferreira de Castro (ICFC).

A iniciativa – a decorrer na “Adega Mota” – está englobada numa tertúlia, com animação musical a cargo de Rui Amorim, inserida no conjunto de acções promovidas pelo ICFC com o objectivo de relançar a sua actividade.

Há instituições que não devem – nem merecem – estar inactivas e o ICFC é uma delas pelo que o seu relançamento é possível e desejável. A apresentação de livros e outras iniciativas culturais em espaços nunca – ou quase nunca – utilizados para esses fins visa rasgar com a ideia que se tem de uma pretensa sobranceria intelectual dos criadores artísticos”, afirmou Sérgio Ferreira, principal impulsionador da criação do ICFC.

Carla Sousa Marques insere-se neste ciclo de iniciativas e, para além da apresentação de “In-Finitos Sentires”, conversará sobre as razões que a levaram a escrever também “Terra do Ontem”, um livro de literatura infanto-juvenil que rapidamente se tornou num êxito.

Nunca escrevi com o objectivo de publicar. A escrita, para mim, é algo, íntimo quase secreto, por isso a ideia de partilhar o que escrevo precisou de ser mentalmente trabalhada. Hoje, já lido bem com isso, mas durante anos recusava-me a mostrar esse espaço pessoal. O facto de ter criado um blogue, onde de uma forma semi-anónima, fui publicando poemas e pequenos contos, ajudou-me nessa viagem até à edição de um livro”, disse Carla Marques.

“In-finitos Sentires” assume-se como “um livro marcado por uma escrita muito pessoal, onde os sentimentos se soltam através dos sentidos”.

Carla Sousa Marques vive no Porto.

Licenciada em Comunicação Social e em Direito, foi jornalista no extinto jornal “O Comércio do Porto” e, mais tarde, editora em “O Primeiro de Janeiro”.

Paralelamente à sua profissão de jurista, mantém uma regular actividade editorial tendo em fase de conclusão uma biografia – a publicar já em Janeiro – e o seu primeiro romance.