A autora desde muito jovem se dedica à arte de declamar e à escrita A autora desde muito jovem se dedica à arte de declamar e à escrita D. R.

Cultura, 2 de Maio de 2011 

Por D. R.

Suzana Guimaraens apresenta livro de poemas

Suzana Guimaraens apresenta esta segunda-feira (21:30), na cafetaria “Ponto de Encontro-Cooperativa dos Pedreiros”, no Porto, o seu livro “paradox.sou”.

A autora que desde muito jovem se dedica à arte de declamar e à escrita seleccionou um conjunto de poemas, uma parte deles com uma profunda matriz vivencial, intimista, em alguns casos roçando a privacidade, onde a mulher, a mãe-completa, é uma das referências e outra mais direccionada para o seu Porto onde “há sempre um cais à espera das almas que vertem lama – água e terra – como luz que se escoa até á origem”.

 Nos seus dias “todos diferentes” Suzana fixa-se no súbito pormenor para abrir as asas a um discurso ora doloroso, ora momentaneamente mais alegre, mas sempre intenso.

O seu “grito humanista” ergue-se, firme e as palavras soltam-se dos lábios humedecidos num épico discurso sobre as gentes que se perdem apressadas nas graníticas ruas da cidade e se reencontram, encontram novamente, embaladas pela suave brisa que sopra leva lá para as margens do rio e do vento que silva lá para os lados do mar: “estamos todos e encontramo-nos novamente, não estamos…?/E se, desta vez, fossemos até ao Mar?”.

A 1ª edição do livro está praticamente esgotada e constituiu uma surpresa muito agradável para a novíssima poetisa que, curiosamente é filha de Abílio Guimarães, (re)conhecido artista plástico, natural de Oliveira de Azeméis, ao qual, aliás, Suzana dedica um emotivo poema.