José Bastos: medidas de austeridade impostas pelo Governo resultaram num “corte significativo” na transferência de verbas provenientes do Estado para as autarquias José Bastos: medidas de austeridade impostas pelo Governo resultaram num “corte significativo” na transferência de verbas provenientes do Estado para as autarquias Fernando Pinho

Economia, 15 de Fevereiro de 2011 

Por Fernando Pinho/EDVI

Autarquia anuncia medidas de austeridade

O nosso propósito é poupar e reduzir despesa em todas as áreas, excepto em duas que são para nós da maior importância para o bem-estar e a coesão social do município – a Área Social e a Educação”, disse o presidente da Câmara de Vale de Cambra, José Bastos, durante um encontro com os jornalistas para anunciar as medidas “de austeridade e contenção” a implementar pela autarquia.

A maior parte das 15 medidas serão implementadas na estrutura camarária, sendo que “algumas delas” já foram concretizadas no passado ano. Redução de custo com pessoal, consumíveis e comunicações, corte nas despesas com viaturas municipais e consumos de água em espaços públicos, são algumas das iniciativas a tomar.

Para o autarca – citado pela agência EDV Informação -, a medida que “mais impacto terá na população” prende-se com a redução em 20 por cento dos custos em iluminação pública. Nesse sentido, adiantou, “estão a ser instalados relógios astronómicos, permitindo regular a intensidade da iluminação nas horas de menor circulação”.

José Bastos lembrou que as medidas de austeridade impostas pelo Governo resultaram num “corte significativo” na transferência de verbas provenientes do Estado para as autarquias.

No caso de Vale de Cambra, esse corte reduz as nossas verbas em quase um milhão de euros”, sublinhou. “Se a este valor somarmos também as implicações que decorrem do aumento do IVA de 21 para 23 por cento, que a Câmara Municipal também tem de pagar; e se juntarmos ainda a forte desaceleração da actividade económica, de que resultam menos licenças e outras receitas próprias das autarquias, o nosso município sofreu ou vai sofrer uma diminuição de receitas que andará próxima de um milhão e meio de euros”, explicou.

A ideia do plano, hoje dado a conhecer, é reduzir a despesa a “pelo menos um valor equivalente” à referida quebra de receita.

Para equilibrarmos o nosso orçamento e podermos lançar no corrente ano obras importantíssimas – orçadas em cerca de nove milhões de euros – vamos ter de tomar estas medidas de austeridade”, acrescentou.